Projeto Acesso

Têmis é a divindade grega por meio do qual a justiça é definida. A venda em seus olhos significa que não há distinção entre aqueles que estão sendo julgados, pois ela também se coloca acima das paixões e desejos humanos. Há uma equidade, também representada pela balança.
O que a venda de Têmis representa hoje é a impossibilidade de reparar no Outro, na sua condição de desigualdade pelo meio em que vive. Não é possível, nesse contexto, verdadeiramente falar de acesso à justiça e estar ao lado dela. A advocacia, sendo indispensável à administração da justiça, precisa estar fora da realidade dos muros dos fóruns e escritórios.
O Projeto Acesso foi idealizado como fruto desse pensamento direcionado para uma justiça social, através do qual nossa atuação busca especialmente a redução das desigualdades sociais e injustiças, por meio de programas voluntários voltados à educação, à formação da cidadania e ao atendimento emergencial a grupos de vulnerabilidades sociais.

DIREITO DIGITAL NAS ESCOLAS
Como formar melhores cidadãos digitais?
São quase 250 milhões de linhas de celular ativas no país (Teleco). Pouco mais da metade das casas no Brasil têm acesso à internet (PNAD/IBGE). Nesse cenário, pode-se concluir que já somos uma sociedade digital! O crescimento e a democratização do acesso à rede não trouxeram apenas benefícios: a errônea noção de que a internet é um território sem lei está criando um ambiente em que muitos crimes e práticas ilícitas estão sendo cometidos.
Com o intuito de formar melhores cidadãos digitais, o primeiro programa do Projeto Acesso visa oferecer palestras em instituições educacionais que mostrem a importância do direito digital e como é possível que, através de seus ensinamentos e lições, se possam aproveitar de forma segura e eficaz as novas tecnologias de informação e comunicação. São abordados os aspectos cíveis e criminais do uso indevido das ferramentas de tecnologia e danos referentes à exposição da imagem e cyberbulling. Confira no Documento abaixo a nossa proposta sobre esse programa.

 

 

Mensagem Informativa

Todas as práticas e atos dos advogados associados ao Projeto Acesso estão respaldadas no livre exercício da profissão, previsto no Art. 5.º, XIII da Constituição Federal, bem como respeita todos os parâmetros para o atendimento da advocacia pro bono, estipulado no Art. 30 e seus incisos do novo Código de Ética e Disciplina, aprovado na Resolução nº 02/2015 do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.